3ª edição do ExperimentaDesign 2003 no S. Jorge

O cinema S. Jorge vai encerrar as portas, esta sexta-feira, para dar inicio à montagem da edição 2003 da ExperimentaDesign, uma iniciativa. Esta terceira edição decorre entre 17 de Setembro e 2 de Novembro.

A ExperimentaDesign é uma bienal portuguesa de âmbito internacional sobre design, criação artística e cultura de projecto, que inclui diversas áreas: ambient design, arquitectura, artes visuais, cinema, design gráfico, design industrial, design de moda, fotografia, multimédia, música, vídeo e web design.
Esta iniciativa abrange a realização de cerca de 15 eventos em Lisboa, com diferentes formatos, como conferências, projecções, exposições e intervenções urbanas.
O cinema S. Jorge vai receber entre 17 de Setembro e 2 de Novembro a ExperimentaDesign 2003 e, paralelamente, recebe a Festa do Cinema Francês, entre 9 e 19 de Outubro, numa iniciativa que resulta da parceria entre a Câmara Municipal de Lisboa e o Instituto Franco-Português.

Banca portuguesa quer garantir competitividade

O presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB), João Salgueiro, disse esta quinta-feira que os bancos não pretendem obter do Governo isenções fiscais, mas sim um conjunto de medidas que “tornem os mercados e os produtos portugueses” competitivos face à concorrência.

“Não queremos isenções fiscais, nem procuramos um benefício para a banca”, garantiu o presidente da APB no que diz respeito ao conjunto de propostas apresentadas por esta e outras entidades, há cerca de um mês, junto do Ministério das Finanças.
A associação pretende apenas, tal como a Euronext, que a fiscalidade portuguesa permita que “os mercados e produtos portugueses sejam competitivos face aos concorrentes estrangeiros, num cenário de livre circulação de capitais”, explicou João Salgueiro.

Benfica dá 100% na entrada da 1ª fase da Liga dos Campeões

O Benfica joga, esta quarta-feira, a entrada na primeira fase da Liga dos Campeões, na recepção à Lázio, em encontro da segunda mão da terceira pré-eliminatória no estádio do Bessa.

Para entrar na liga milionária, os encarnados precisam recuperar da desvantagem de 3-1 trazida de Roma, onde o único golo benfiquista foi marcado pelo avançado Simão, que está em dúvida para este segundo confronto devido a uma lesão no pé direito. O encontro disputa-se a partir das 21 horas e será dirigido por uma equipa de arbitragem suíça.
Campeão europeu noutras épocas, o Benfica pode regressar às vitórias pela “porta” grande, ingressando na mais importante competição de clubes, após dois anos de ausência dos palcos continentais.

1200 trabalhadores dispensados da Carris até 2005

A Carris vai dispensar cerca de 1200 trabalhadores até 2005, estando previsto que 500 funcionários abandonem a empresa ainda este ano, outros 500 em 2004 e os restantes no ano seguinte, como noticia esta quarta-feira o Diário de Notícias.

De acordo com a Federação dos Sindicatos de Transportes Rodoviários (FESTRU) “até agora, já rescindiram os contratos de trabalho de 420 empregados, o que nos leva a crer que até ao final do ano sejam ultrapassados os 500 despedimentos previstos pela Carris”. “Os trabalhadores estão a ser fortemente pressionados para rescindirem os contratos. No mês passado, o concelho de administração enviou uma carta a todos os trabalhadores dizendo-lhes para não perderem a oportunidade de venderem o seu posto de trabalho, uma vez que os bancos concediam empréstimos à Carris para fazer rescisões, mas não para pagar salários”, afirma Luísa Bota da FESTRU.

Ataques contra funcionários da ONU são crimes de guerra

O Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) aprovou, por unanimidade, uma proposta de resolução, apresentada pelo México, que prevê proteger todo o pessoal humanitário que se encontra em zonas de conflito.

A proposta de resolução apresentada só pôde ser aprovada após satisfeita a exigência dos Estados Unidos. Os americanos exigiram retirar do documento de toda e qualquer menção ao Tribunal Penal Internacional (TPI), instituição cuja existência legal os EUA não reconhecem.
Com a aprovação desta proposta de resolução por parte da ONU, todos os ataques contra funcionários das agências humanitárias passam a figurar como crimes de guerra.