Sampaísmo ganha mas guterristas dizem é cedo para substituir Durão

As vitórias das listas sampaístas concorrentes às Federações do PS demonstram uma de duas coisas: ou o aparelho de Guterres está no fim e o PS quer a renovação ferrista, ou, em alternativa, o aparelho guterrista considera que ainda não é tempo da oposição tomar o poder e derrotar Barroso.

O primeiro-ministro colocou-se a jeito, com a questão do Iraque, para que o Presidente da República lhe pudesse tirar a confiança, mandando abaixo o Governo e levando o País para eleições gerais.

Só que isso, apesar da esquerda deixar claro nas moções de censura esta semana que quer e está em condições de substituir o actual executivo, ainda é cedo. A esquerda está a fazer de conta, por agora. O seu verdadeiro líder é o Presidente da República.

O sampaísmo ganhou, aliás, esta semana, em toda a linha, as eleições nas distritais do PS, acabando de vez com o velho e desgastado poder do aparelho guterrista, comandado por Jorge Coelho.

A esquerda está a criar as suas estruturas, os seus acordos de princípio, os seus entendimentos com o trotsquismo mais alargado, leia-se Bloco de Esquerda e outros transformistas desempregados, para voltar depois ao poder. Mas só quer voltar depois da crise passar. E esse momento será exactamente aquele em que a esquerda espera ver o PSD mais desgastado.

Durão Barroso, fazendo justiça ao seu profissionalismo como diplomata pragmático e com um bom entendimento do que é o interesse nacional, colocou-se ao lado da América, reafirmou a vocação europeia de Portugal e apostou na lusofonia, como espaço de diferenciação.

Martins da Cruz deu a resposta cultural com o diálogo no Mediterrâneo. Mas se na esfera externa as coisas estão a correr bem, tanto mais que o neutralismo de Sampaio serve para efectivamente Portugal não se envolver na guerra, como a opinião pública sempre gosta, o certo é que é na ordem interna que a continuidade e a sobrevivência desta maioria serão decisivas.

É agora claro que se a culpa da crise é do PS, tem sido a pouca habilidade de Ferreira Leite que fez agravar a recessão. É agora claro que o aumento dos impostos apenas serviu para aumentar a fuga aos mesmos, em vez de contribuir para aumentar as receitas do Estado.

É claro agora que o governo do PSD aumentou as despesas da Administração Pública em vez das diminuir.

É claro que a política económica deste governo é contraditória, errada e que a corrupção é em regra aos olhos dos portugueses. É inacreditável a perseguição aos empresários que Bagão Félix está a fazer, seja com a solidariedade no pagamento dos salários (os empresários agora passam a responder com as empresas e os seus patrimónios pessoais pelos salários), seja agora com a “estúpida medida de criminalização do não pagamento das contribuições à Segurança Social”.

Bagão Félix tem demonstrado ser um verdadeiro comunista encapotado, e em vez de diminuir as contribuições porque hoje o seu peso é um desincentivo ao emprego, como, aliás, está a fazer Schroeder na Alemanha, faz como Pina Moura fez no Fisco, criminaliza as contribuições, coisa que jamais Ferro Rodrigues ousou fazer.

São erros ideológicos, que só podem conduzir o País a uma situação mais grave e que acabam por dar razão a Jorge Coelho e ao antigo aparelho socialista, que, ao contrário de Ferro Rodrigues, considera que ainda não chegou o tempo de derrubar Barroso, nem de moções de censura, pois a acção do executivo é suficiente para o afastar do poder dentro de dois anos.

Uma boa razão para justificar o aparente afastamento dos guterristas das estruturas regionais do PS, afirmando que “no momento em que for essencial tomar conta do partido, estas estruturas acabarão por ser substituídas por quem estiver no poder”.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.