2019/12/05

Arafat diz que «o roteiro para a paz está morto»

O dirigente da Autoridade Nacional Palestiniana (ANP), Yasser Arafat, afirmou numa entrevista à CNN, que o roteiro para a paz morreu devido às últimas agressões militares israelitas. O representante da ONU no Iraque, Ramiro Lopes Silva, admite a possibilidade de uma guerra civil.

Yasser Arafat afirmou na madrugada de quarta-feira que o roteiro para a paz chegou ao fim. O líder da ANP, Yasser Arafat, afirmou numa entrevista à CNN em Ramallah, Cijordânia, que «o roteiro para a paz está morto, devido, exclusivamente, às agressões militares de Israel nas últimas semanas».
As recentes agressões militares israelitas contra grupos militares palestinianos põem de parte, segundo Yasser Arafat, a possibilidade de um cessar-fogo com o Hamas e a Jihad Islâmica. O plano de paz, levado a cabo pelos EUA, Nações Unidas, União Europeia e Rússia está assim ameaçado.
O líder da ANP acusou também os EUA de não se terem empenhado a fundo na aplicação do plano de paz devido a uma excessiva preocupação com as eleições presidenciais norte-americanas, que se realizam no início do próximo ano.
Confinado já há 20 meses ao seu quartel-general de Ramallah pelo exército israelita, Yasser Arafat negou qualquer ruptura com o primeiro-ministro Mahmoud Abbas. Considera que os desentendimentos existentes foram exagerados por Israel com o objectivo de provocar distúrbios na liderança palestiniana.
Estas declarações de Arafat foram feitas no mesmo dia em que Israel, através de Shaul Mofaz, ministro da Defesa, voltou novamente a ameaçar expulsar o dirigente palestiniano, acusando-o de ser um obstáculo para alcançar a paz.
O actual representante da ONU no Iraque, Ramiro Lopes Silva, em entrevista publicada esta quarta-feira no Diário de Notícias, afirma que é essencial «repor o sistema de justiça, recriar a polícia iraquiana com nova identidade, nova forma de se posicionar e relacionar com as populações». Se isto não acontecer, o sucessor de Sérgio Vieira de Melo, acredita na possibilidade de ocorrer uma guerra civil no país.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.