Politólogos são unânimes e não acreditam numa maioria absoluta do PSD

Pedro Passos Coelho escreveu esta semana um artigo de opinião no qual sublinhava a importância de Manuela Ferreira Leite lutar por uma maioria clara nas legislativas. Caso obtenha maioria absoluta, será que Ferreira Leite consegue soltar as amarras que a ligam ao cavaquismo e fazer nascer uma nova era na política portuguesa?

Pedro Passos Coelho escreveu esta semana um artigo de opinião no qual sublinhava a importância de Manuela Ferreira Leite lutar por uma maioria clara nas legislativas. Caso obtenha maioria absoluta, será que Ferreira Leite consegue soltar as amarras que a ligam ao cavaquismo e fazer nascer uma nova era na política portuguesa? Assim, a pergunta do SEMANÁRIO esta semana é: será que uma maioria absoluta de Ferreira Leite a libertava da tutela de Cavaco Silva? E o que é que nasceria depois disto?

Rui Ramos
“Ferreira Leite não precisa de se libertar do Presidente da Republica”
” Não quero fazer como o primeiro-ministro fez na terça-feira ao dizer que não falava de cenários. Mas parece que esse é um cenário bastante improvável. Em relação a uma eventual tutela do Presidente da Republica penso que não é um problema que se coloque à liderança do PSD, que tem com Cavaco Silva uma simpatia e sintonia que afasta quaisquer problemas e, portanto, não precisa de se libertar do Presidente da Republica. Cavaco Silva é que precisará de dar instruções ou ordens a uma maioria como essa. Em relação ao PSD depende de quais são os planos de Manuela Ferreira Leite, ela já indicou que tem uma intenção de controlar o partido e moldá-lo à sua imagem e segundo a sua orientação. Mostrou-o com a exclusão de Pedro Passos Coelho das listas de deputados. É obvio que se Ferreira Leite tivesse um resultado de maioria absoluta, ficaria com uma força enorme no PSD e isso entregar-lhe-ia completamente o partido e, é essa força ela neste momento não sente, por isso, é que teve que fazer aquela escolha de candidatos de maneira a ter a certeza que em São Bento teria apenas gente da sua inteira confiança.”

José Adelino Maltez
“Ferreira Leite fica feliz quando lhe chamam Cavaquista”
“O artigo do Passos Coelho é para marcar a agenda, tanto podia pedir uma maioria absoluta ao PSD, como podia pedir que Ferreira Leite descobrisse a Índia. Ela ainda nem assegurou a maioria relativa quanto mais a maioria absoluta. Isso é um bom jogo dialético para continuarmos a falar dele. Não acho que uma maioria absoluta libertasse Ferreira Leite do peso do Cavaquismo. Em primeiro lugar, parece que a coitada da dr. Manuela Ferreira Leite tem o Cavaquismo a persegui-la, quando foi ela que inventou o cavaquismo sem Cavaco – até lhe interessa. As razões dos eventuais êxitos que Ferreira Leite possa ter é precisamente porque ela se assume com um cavaquismo sem cavaco. Há, pelo contrário, uma colagem dela à imagem de Cavaco. Cavaco tem uma indiscutível confiança popular como se manifesta em todas as sondagens muito mais do que ela, não sei se o dobro se o triplo. Tudo o que seja insinuação subliminar como está patente em todos os discursos de Ferreira Leite é bom para ela. Tudo o que seja um ataque a chamar-lhe cavaquista ela fica feliz. Quem sai prejudicado no meio disto tudo é o dr. Cavaco porque fica com um espaço (reduzido) onde pode ser atacado por ver o seu nome envolvido na discussão político partidária. O artigo do Passos Coelho é uma provocação ao sistema que não é aleatória, porque aquele artigo é aquele que não se estava à espera e é aquela que mais atrapalha. Não é um artigo de impulso é um artigo político de provocação ao sistema.”

António Costa Pinto
“Tutela tanto se passará com maioria absoluta como relativa”
” Não creio que quer com maioria absoluta queira com maioria relativa essa relação deixe de existir. Acho que essa relação de tutela tanto se passará com maioria absoluta como com maioria relativa.”|

Manuel Meirinho
“Nem há maioria absoluta, nem Ferreira Leite está tutelada por Cavaco”
“Primeiro, não vai haver maioria absoluta. A pergunta pressupõe que ela está sob tutela de Cavaco – o que não concordo. Primeiro, é muito provável que não haja maioria absoluta, logo a questão não tem grande consistência e, depois, não é líquida nem nada que se pareça que Ferreira Leite e o PSD sejam actuados sob a tutela de Cavaco. Parte-se à partida de um pressuposto que é a maioria absoluta de Manuela Ferreira Leite e o facto de ela estar sob a tutela de Cavaco e não concordo nem com ambas as afirmações. Não faço comentários com base em hipóteses tão remotas e sem consistência. Não tem grande sentido. Não há nenhuma tutela de Cavaco, há sim uma relação institucional e partidária entre o Presidente da Republica e Ferreira Leite. Não há relação tutelada nem maioria absoluta. Mas como é completamente improvável que haja uma maioria absoluta seja dela seja do Sócrates, não há qualquer problema. Qualquer partido que ganhe esta condenado a ter uma relação institucional com o Presidente da Republica, mas nunca uma relação tutelada.”

Sócrates e Cavaco reduzem conflitualidade institucional

Primeiro foi Cavaco Silva a baixar a pressão entre Belém e S. Bento, alimentada pela comunicação social durante todo o Verão. A seguir veio Sócrates, na entrevista à RTP, falar em cooperação estratégica. Belém já pode ter percebido que quanto maior conflitualidade com o PS, mais a reeleição de Cavaco fica ameaçada.

Depois da tempestade de Verão

Primeiro foi Cavaco Silva a baixar a pressão entre Belém e S. Bento, alimentada pela comunicação social durante todo o Verão. A seguir veio Sócrates, na entrevista à RTP, falar em cooperação estratégica. Belém já pode ter percebido que quanto maior conflitualidade com o PS, mais a reeleição de Cavaco fica ameaçada. Por sua vez, Sócrates também percebeu que a guerra com Belém só dá trunfos a Ferreira Leite.

Quem ouviu esta semana Cavaco Silva a falar na necessidade de o país se concentrar nos seus problemas, não se distraindo com o episódio das alegadas escutas ao Palácio de Belém e José Sócrates a garantir que o governo e o Presidente da República estavam a cooperar entre si, deve ter tido a sensação de viver uma fantasia de Verão quando no mês de Agosto toda a comunicação social fazia parangonas com a guerra entre a Presidência da República e o executivo, depois de uma fonte presidencial anónima ter colocado a hipótese de o Palácio de Belém estar a ser vigiado.
É bom, no entanto, não tirar conclusões precipitadas porque a fantasia e Verão pode ser, afinal, realidade e a realidade fantasia. Há muito para jogar nos próximos dois anos. As legislativas de 27 de Setembro são apenas o início do campeonato. Depois de avaliar o que se passou em Agosto, com o episódio das alegadas escutas, Sócrates teve ter feito o ponto da situação e concluído que o PS nada tem a ganhar com a conflitualidade com Belém, ou a aparência dela, acabando por dar trunfos a Ferreira Leite.
Se a imagem de conflitualidade com Belém passar psra a opinião pública, há o risco de os portugueses penalizarem o PS. Para o espectro da ingovernabilidade, já bem basta os eleitores não qurerem dar maioria absoluta a nenhum partido em face da experiência com Sócrates, quanto mais enfrentarem o risco de uma má relação entre Belém e S. Bento, mais o país pode ficar ingovernável, ainda para mais havendo uma crise económica e social para gerir. Assim, uma continuada dramatização do conflito institucional, podia levar Ferreira Leite a sustentar que o PSD, mesmo sem maioria absoluta, era o único partido capaz de dar garantias de governabilidade em face das relações normalizadas com Cavaco Silva. Assim, mesmo que os atritos entre Belém e S. Bento sejam reais, com vetos sucessivos às leis socialistase muitas frases sibilinas ou que parecem hoistis ao PS, Sócrates tem de assobiar para o ar. Há, mesmo assim, conflitos institucionais bem mais graves, por exemplo aquele que foi protagonizado por Cavaco Silva e Mário Soares. Sócrates bem pode dar-se por satisfeito por Cavaco nunca ter pisado o risco em relação a poder ser visto como apoiante das reivindicações das várias classes profissionais que afrontaram Sócrates nos últimos quatro anos, o grande problema do primeiro-ministro, que o pode, aliás, levar à derrota eleitoral.

Quanto a Cavaco, o Palácio de Belém já pode ter percebido que quanto maior conflitualidade com o PS, mais grãozinhos de areia se infiltram na máquina de reeleição de Cavaco em 2011. O argumento que serve para o governo, nestas legislativas, também serve para Cavaco nas presidenciais. Os portugueses podem ter-se habituado à cooperação estratégica e, face à instabilidade derivada da ausência de maioria absoluta, não quererem novos riscos. O PS tem, aliás, explorado bem este cenário de Cavaco sem cooperação estratégica, dando gás a nomes muito fortes para poderem ser candidatos presidenciais do PS contra Cavaco. Os socialistas mantém a hipótese de Manuel Alegre em banho-maria e um grupo de socialistas chegou a sondar Jorge Sampaio para uma nova batalha por Belém. Esta guerra pode, no entanto, não ser real e ter um simples objectivo de dissuasão, avisando o Palácio de Belém para não cair em tentações, reais ou mesmo fantasiosas, como as escutas à Presidência da República.